Geodésia Topografia Fotogrametria & Vant Trabalhos Acadêmicos Vídeos
Me. Eng Marcos Guandalini e Eng.Paulo Augusto Borges


Com o objetivo de se avaliar a acurácia obtida no posicionamento a partir do sistema de correção global StarFire (GSBAS) elaborou-se um trabalho de campo ao longo da raia olímpica da USP, coletando-se sobre a rede de pilares da USP dados a partir do receptor SF3040. Os marcos utilizados fazem parte da rede de estações SATGPS do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) tendo suas coordenadas geodésicas referidas ao atual sistema geodésico brasileiro SIRGAS 2000, época 2000,4. 

Para o processo de avaliação foram utilizados 8 marcos de referência materializados ao longo da raia olímpica, a saber:


Tabela 1: Marcos Oficiais (IBGE/SIRGAS2000).
clique aqui para ver o post completo
Jan
20
Por: Me.Eng.Marcos Guandalini e Eng. Thiago Soares
      
      Neste post, serão explanadas as técnicas que permitem posicionamento centimétrico para locação de pontos em obras, entretanto, não será comentada a correção diferencial por satélite.
      Atualmente, com o aumento da demanda de serviços topográficos no Brasil, a palavra produtividade está cada vez mais presente no dia a dia, como também estão os termos preço e custo benefício. A relação do tamanho e tempo do projeto x custo do equipamento se torna essencial na decisão da técnica de posicionamento a ser utilizada.
Antes de iniciar a construção, devem-se materializar, em campo, os pontos que definirão as posições estratégicas da obra, como eixos de uma rodovia, fundação de um edifício, pilares de uma ponte, divisas de lotes e assim por diante. Nesse sentido, a locação de pontos se faz essencial, pois um erro, durante o processo de locação, pode resultar, diretamente, em um erro da execução da obra. 
Para a implantação de pontos, várias técnicas de posicionamento podem ser utilizadas, logo, os profissionais da área de agrimensura determinam qual delas usarão em suas aplicações conforme o tipo de trabalho, a técnica de posicionamento conhecida e o equipamento disponível. 
O objetivo deste post é mostrar as diferentes variáveis e decisões que o profissional precisa saber na implantação de pontos. Abaixo, segue uma escada da evolução dos equipamentos usados para locação.
clique aqui para ver o post completo
Proposta de Valor da Utilização do receptor GNSS SF3050 como base híbrida para Agricultura de Precisão e do uso do receptor GNSS SF3040 na topografia em usinas de cana-de-açúcar.


Por: Me.Eng.Marcos Guandalini



• Introdução:
A sistematização da área de plantio da cana está diretamente ligada ao conhecimento de todas as feições existentes em campo, bem como a determinação de todas as coordenadas geográficas com precisões centimétricas da área plantada e ao perfeito ordenamento de diferentes etapas a serem realizadas desde o preparo do solo até a colheita.
Assim, será possível projetar todas as etapas mecanizadas na lavoura sem desperdiçar área, eliminando o pisoteamento da linha de plantio e compactando o solo adequadamente.

clique aqui para ver o post completo
Ago
18
Segunda-feira, 18 de Agosto de 2014 10:36 2 comentários
Por: Me.Eng. Marcos Guandalini

Podemos afirmar que o melhor método de posicionamento é a técnica RTK em REDE, entretanto, existe a necessidade da conexão GSM/GPRS na área em que se deseja realizar o trabalho. Assim, foi desenvolvida a repetidora RTK GSM/UHF ou RTK Bridge que é um equipamento capaz de receber a correção do serviço de RTK em REDE e retransmiti-la através do tradicional link de rádio com diversos benefícios ao usuário.



Figura 1: A repetidora RTK GSM/UHF.

A figura 1 ilustra a concepção da repetidora RTK GSM/UHF na qual existem: 1 antena GPS L1, responsável por determinar a posição absoluta em campo e enviar a informação para o servidor de RTK em REDE; 1 antena celular, responsável por amplificar a conexão GSM com a telefonia móvel do local de trabalho; 1 modem GSM, no qual o usuário pode conectar qualquer chip de telefonia móvel; 1 entrada de antena UHF, integrada no cabo para uso do rádio interno na repetidora(opcional); 1 entrada para a conexão de rádio externo (ex: rádio PDL ou ADL da Pacific Crest de 35 Watts) e um visor integrado que demonstra o status de conexão e utilização de qualquer dos hardwares citados acima.

clique aqui para ver o post completo
Jun
06
Sexta-feira, 6 de Junho de 2014 11:33 3 comentários
Por: Me.Eng. Marcos Guandalini

O Controle de Máquina compreende sistemas que permitem obter uma realização rápida e precisa para projetos de construção, obras viárias e movimento de terra sem a necessidade de estaqueamento, conforme figura 1.


Figura 1: Utilização de maquinário orientado por estacas.

Conforme a figura 2 existe diferentes aplicações para todo o tipo de máquinas, tais como: asfaltadora, motoniveladora, escavadeira, entre outras. Os sistemas de controle de máquina utilizam diferentes tecnologias para cada uma das aplicações citadas.


Figura 2: Níveis e sensores lasers no controle de máquina



clique aqui para ver o post completo
RESUMO

As ciências ligadas ao estudo da localização, posicionamento e mensuração das formas e medidas do globo terrestre dependem inequivocamente de um referencial fixo que contemple elementos geométricos, trigonométricos e geodésicos devidamente relacionados, necessitam de referências consolidadas, materializadas. Portanto, este trabalho tem o objetivo de reafirmar a posição oficial do Centro Geodésico da América do Sul, marco situado na capital mato-grossense; monumento de extrema relevância no contexto cartográfico, estratégico, histórico, cívico e turístico. É necessário reiterar sua posição, já que foi constatado neste trabalho que o segmento turístico e jornalístico regionais tem colocado em dúvida a veracidade da localização do Centro Geodésico da América do Sul materializado pela Comissão Rondon; dado quando remetem sua localização ao município de Chapada dos Guimarães e ao Distrito do Coxipó do Ouro, curiosamente ambos com exponencial potencialidade turística. Porém não apresentam em suas insinuações conclusões técnicas definidas sobre o deslocamento proposto, tratando-se apenas de fruto de especulação do tema em benefício de atividades comerciais, divergindo completamente de sua verdadeira finalidade; um marco referencial pleno e imutável que culminou na elaboração das primeiras cartas topográficas prestigiando toda extensão territorial nacional. Diante dos dados obtidos evidencia-se o equívoco exposto pelos setores turístico e jornalístico, e a condição de dúvida e incerteza de sua localização gerada entre e população local e turistas.
Palavras chave: referencial; localização; deslocamento.

Clique e veja a monografia completo:
http://download.hezolinem.com/download/marketing/0132014.pdf_
RESUMO

A solução RTK Flutuante é usada para realizar posicionamento submétrico em aplicações L1 e L1&L2.  Normalmente, A solução RTK Flutuante garante precisão submétrica de início e precisão de nível decimétrico depois de alguns minutos. Para um receptor GPS, o tempo da C.P.E.  do RTK e a precisão do posicionamento estão sujeitos às condições ambientais (geométrica, multicaminhamento), ao comprimento da linha base e ao próprio algoritmo do RTK.

Neste trabalho, descrevemos o algoritmo do RKT da Ashtech: a solução Flying RTK.  Sendo bastante simples na realização e não tão demorada, ela demonstra, estatisticamente, o melhor desempenho comparada à solução RTK Flutuante padrão. Enquanto o algoritmo da solução RTK Flying pode ser aplicado para ambos os sistemas L1 e L1L2, neste artigo, destacamos os sistemas L1 RTK.  Fazemos uma comparação de desempenho entre a solução RTK Flutuante e a solução RTK Flying com os dados coletados em diferentes ambientes e linhas base. Os resultados provam que a solução Flying alcança a C.P.E. decimétrica em 3 min em média dependendo das condições do trabalho em campo.

Os dados usados para validação foram coletados com diferentes receptores L1 da Ashtech.

Clique e veja o artigo completo: 

http://download.hezolinem.com/download/marketing/Flying.pdf

Por: Eng. Thiago Soares
Me.Eng. Marcos Guandalini


1. Receptores GNSS SF3050 e SF3040 da NAVCOM:

Os receptores GNSS da NAVCOM possuem a tecnologia integrada StarFireTM/RTK ExtendTM e oferecem precisão ao nível de 5cm em qualquer lugar do mundo e a qualquer hora. Eles são multi-constelações que rastreiam as observáveis GPS, GLONASS e Galileo. 

O Receptor GNSS SF3050 possui a antena geodésica externa a sua estrutura física, o que permite seu uso em aplicações fixas como Estações de Referência Ativa (E.R.A.), e a possibilidade de conectá-lo a diferentes tipos de rádios e à internet, se necessário.

Figura 1 e 2: Receptor GNSS SF3050 e utilização em campo.


O receptor GNSS SF-3040 fornece um nível, sem precedentes, de desempenho e flexibilidade. Inclui correções RTK, via sinal de rádio UHF, e correções GSBAS (global satellite-based augmentation system) via sinais de satélite StarFire. Com rádio interno UHF, o qual oferece a funcionalidade Ultra RTK, proporciona um desempenho com precisão de 1cm+0,5 ppm. O receptor GNSS SF3040 acompanha serviço de correção GSBAS StarFire ™ via satélite, proporcionando precisão autônoma de até 5cm em qualquer local do planeta e sem a necessidade de uma E.R.A. . O NAVCOM ainda concede a tecnologia de RTK Extend™ que possibilita aos usuários trabalharem em ambientes desafiadores e manterem nível de precisão RTK mesmo durante obstruções de sinal de rádio da E.R.A.


Figuras 3 e 4: Receptor GNSS SF3040 e utilização em campo.

clique aqui para ver o post completo
Abr
07
Segunda-feira, 7 de Abril de 2014 16:37 3 comentários
AVALIAÇÃO DE PRECISÃO, ECONOMIA DE TEMPO E SEGURANÇA

Quanto tempo dura e qual o rendimento de um levantamento com VANT/Drone? Do voo aos produtos finais? Qual é a precisão do volume calculado a partir do modelo digital de terreno? Como esta técnica pode contribuir para a segurança dos inspetores? Os autores discutem estas e outras questões, enfocando as experiências adquiridas pela “Global Vision”, uma empresa com sede na África do Sul, que oferece serviços com Drone para locais de mineração na África do Sul e Namíbia.

A Global Vision desenvolveu seu próprio “Multi rotor” (Figura 1). O helicóptero tri-rotor pré-programável com seis hélices está equipado com um sistema de piloto automático DJI e uma câmera de 24 megapixels. Um GNSS embarcado que fornece estimativas das posições da imagem, que são transmitidos em tempo real através de um link de dados de 900mhz, um laptop em chão constitui a base em uma zona segura da mina (Figura 2). O Drone sobrevoa o local e captura milhares de imagens, o operador não requer habilidades especiais, o helicóptero é leve e decola automaticamente, captura imagens em um padrão de grade e volta ao seu ponto de partida com um pouso seguro. Se ocorrer qualquer problema, o Drone está programado para voar de volta ou aterrissar.



clique aqui para ver o post completo
Abr
01
Terça-feira, 1 de Abril de 2014 08:48 1 comentário

Eng. Manoel Silva Neto
Departamento de Fotogrametria

Mapeamento com VANT é amplamente aceito como um novo método para a aquisição de dados de imagens espaciais. As principais oportunidades de negócios se encontram claramente em projetos que são pequenos demais para ser de interesse para plataformas em aeronaves e helicópteros e grande demais para mapeamento em campo. No entanto, a realização de operações VANT rentável e com resultados de alta qualidade é bastante exigente. No final do dia, o cliente final a pagar não está realmente interessado em saber se os dados foram produzidos usando VANT ou métodos mais tradicionais, a qualidade dos dados é tudo que importa. Este artigo centra-se em temas de produtividade do mapeamento com VANT, lançando luz sobre os desafios práticos da operação e processamento de dados VANT.

O Veículo Aéreo Não Tripulado (VANT) no mercado de mapeamento hoje está dividido em três grupos principais: os fabricantes, fornecedores de tecnologias de processamento de dados e operadoras aéreas que voam os sistemas para atender às necessidades dos clientes finais. Embora haja alianças entre fabricantes VANT e provedores de tecnologias de processamento, é importante notar que cada um dos três papéis tecnológicos e prestadoras de serviços requerem diferentes know-how e processos operacionais (Figura 1) .




clique aqui para ver o post completo
1 de 6
Alezi Teodolini

O Agrimensor do Futuro está sempre preocupado em ser produtivo, em fazer mais com menos, em usar tudo o que há de mais moderno, em nunca deixar de evoluir. E aí, você é um Agrimensor do Futuro?

Facebook Twitter Facebook
Colabore

Quer ser um Agrimensor do Futuro?

Então envie para marketing@aleziteodolini.com.br um texto, vídeo ou imagem do seu trabalho em campo, que mostre que você está de olho nas novas tendências de mercado!

Se o seu material for aprovado, ele será publicado e você ainda ganhará um presente especial do Blog!

Cadastre-se

Cadastre-se na nossa newsletter.

© 2012 - Alezi Teodolini - Equipamentos Topográficos e Comércio
Alezi Teodolini
Intersoft