A utilização de receptores GNSS no método relativo na técnica pós-processado, vem sendo utilizado em levantamentos topográficos e no georreferenciamento de imóveis rurais há alguns anos no Brasil. Pode-se dizer que é uma técnica de posicionamento consagrada e que os profissionais de agrimensura e cartografia já a utilizam com grande experiência, sendo de seu conhecimento todas as vantagens, desvantagens e problemas que podem ser encontrados em campo.

As principais dificuldades são: utilizar os receptores GNSS em locais fechados, o desligamento aleatório e consequentemente perda dos dados das observáveis na estação de referência e principalmente, a não obtenção de solução fixa após o processamento dos dados no escritório, mesmo após avaliação de resíduos e eliminação de dados de alguns satélites. Como consequência surge a necessidade de reocupação do ponto em campo.

Com a implantação das 28 estações de referências ativas do CEGAT e com a utilização do software GNSMART da GEO++, desenvolveu-se o serviço de cálculo de arquivos virtuais RINEX (VRS). Este serviço permite o cálculo de um arquivo virtual RINEX, ou seja, a partir da representação do estado do espaço criado pelo software GNSMART possibilita a recriação do arquivo bruto GNSS na coordenada definida pelo usuário dentro da área de cobertura do CEGAT, possibilitando assim ser utilizado como referência para o cálculo dos vértices de perímetro, obtendo-se assim, precisões centimétricas.

Para explicar este nova técnica de geração de arquivos brutos, iremos inicialmente demonstrar o método tradicional de levantamento topográfico utilizando receptores GNSS.

Considerando a área abaixo a ser levantada:

receptor gnss

A primeira etapa para a realização do levantamento é o transporte de coordenadas, ou seja, a determinação das coordenadas da estação base através do método estático e utilização de estações de referência ativas ou passivas do IBGE, as quais estão referenciadas ao SGB (Sistema Geodésico Brasileiro).

A próxima etapa será o levantamento radial de todas as os pontos que delimitam a área através do método rápido estático(media de 5 min. de ocupação por ponto), usando como referência os dados brutos armazenados no mesmo instante na estação base, com correção relativa às coordenadas calculadas no transporte inicial.

O novo serviço de arquivos virtuais RINEX do CEGAT, permite ao usuário inserir a coordenada geodésica conhecida no software GNWEB (calculada anteriormente por meio do transporte de coordenadas). O acesso ao serviço está disponível ao usuário habilitado, através do site www.cegat.com.br, permitindo-se assim o cálculo e disponibilização dos dados brutos GNSS no dia e período determinado.

Após a confirmação das coordenadas geodésicas do ponto para o qual será criado o arquivo virtual RINEX, deve-se determinar o dia e período desejado. Na sequencia, o sistema realizará o cálculo de um arquivo RINEX único com taxa de gravação de 1 segundo, o qual  poderá ser baixado e utilizado pelo usuário.

O arquivo bruto GNSS ou RINEX Virtual, pode agora ser importado para qualquer software de pós-processamento GNSS, com todas as observáveis GNSS necessárias.

 

Utilizando-se de um arquivo virtual RINEX para o ponto de apoio básico, o profissional de agrimensura e cartografia pode realizar os levantamento de campo com apenas 1 receptor GNSS, recriar o arquivo da estação base necessário e trabalhar com linhas de base(distância entre o receptor GNSS base e móvel) curtas.

Assim, realiza-se o transporte de coordenadas pelo método tradicional (estático) de forma a materializar o ponto de apoio básico. Caso já exista as coordenadas conhecidas para um vértice materializado em campo, esta etapa não precisa ser realizada e bastará apenas criar o arquivo virtual RINEX GNSS no CEGAT.

O novo levantamento radial poderá ser executado sem se preocupar em instalar um receptor GNSS no ponto de coordenada conhecida, possibilitando que o usuário preocupe-se apenas com o levantamento dos pontos que determinam a área. Para os usuários que já possuem 2 receptores GNSS poderão utilizá-los como 2 receptores GNSS móveis simultâneos aumentando-se assim a produtividade em campo.

Com a criação do arquivo bruto GNSS ou RINEX Virtual, este procedimento pode ser realizado com qualquer receptor GNSS independente da marca.

Os profissionais de agrimensura e cartografia poderão reduzir custos diretos em campo sem a necessidade de contratar auxiliares devido a não utilização da estação base.

As linhas de base não precisarão estar no limite de 20 km, podendo facilmente criar novos arquivos brutos GNSS próximos aos pontos a serem levantados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here